fbpx

A geração Y | também chamada geração do milênio |geração da internet | ou Millennials

Publicado por Professor Tony Lima em

A geração Y (também chamada geração do milênio, geração da internet, ou Millennials) é um conceito em Sociologia que se refere, segundo alguns autores, como Don Tapscott, à corte dos nascidos após 1980 e, segundo outros, do início da década de 1980 até meados da década de 1990, sendo sucedida pela gera A geração Y (também chamada geração do milênio, geração da internet, ou Millennials) é um conceito em Sociologia que se refere, segundo alguns autores, como Don Tapscott, à corte dos nascidos após 1980 e, segundo outros, do início da década de 1980 até meados da década de 1990, sendo sucedida pela geração Z.

Professor mais que isso tem haver com nossa profissão? Resposta isso é importantíssimo para todas profissões, pois é através dessas pesquisas podemos nos edaptar para a nova geração, um dos exemplos mais praticos aconteceu comigo tive que fazer uma grande mudanças em meus cursos se você quiser ver as mudanças que precisei fazer veja aqui neste link, https://youtu.be/AUeyNqk_UHA geração y

Essa geração desenvolveu-se numa época de grandes avanços tecnológicos e prosperidade econômica, e facilidade material, e efetivamente, em ambiente altamente urbanizado, imediatamente após a instauração do domínio da virtualidade como sistema de interação social e midiática, e em parte, no nível das relações de trabalho. Se a geração X foi concebida na transição para o novo mundo tecnológico, a geração Y foi a primeira verdadeiramente nascida neste meio, mesmo que incipiente.

É importante notar que não existe geração Y no campo, se a natureza da renda da família e da cidade estão relacionadas a um histórico de trabalhos braçais e tradicionais, rurais, ou tradicionais manufatureiras.

Há uma diferença significativa entre as modalidades de prosperidade econômica e níveis de interação material mundiais, quando comparadas as duas gerações (X e Y). Na primeira, a quantidade de elementos lúdicos, de brinquedos, artefatos e eletrodomésticos ou qualquer nível de produto na cadeia social é muito menor que na segunda, e em contrapartida, mais duradouro e predisposto à manutenção ao invés do descarte e atualização (update).

A dinâmica da manutenção e reciclagem econômicas foram dramaticamente alteradas na virada do milênio, encabeçadas por potências como o Japão e Tigres Asiáticos e EUA, onde o ciclo econômico de reciclagem e descarte passaram a fazer parte do circuito econômico de produção local, por necessidade ambiental ou retorno financeiro. Simultaneamente, a natureza da efemeridade dos programas computacionais e a lógica da indústria de softwares induziram também fortemente, o conceito de descarte e atualização. De forma complementar, o desenvolvimento da indústria automobilística entrou no patamar de configuração dos veículos, também por questões de reciclagem e descarte que alimentariam a cadeia produtiva desde a fonte, em termos de reduzir a espessura das latarias e materiais em função da absorção de impactos em colisões. Este elemento, de origem investigativa com base em pesquisas de colisão com modelos e bonecos, por si só inseriu em parte a necessidade de redução da resistência mecânica e portanto, durabilidade material das latarias, fato perceptível no senso comum da população.Curso-de-Cabeleireiro-e-Barbeiro-Profissional

Estas diferenças econômicas produziram, com efeito, uma geração familiarizada com a baixa durabilidade e efemeridade dos produtos. Neste novo ambiente volátil, onde podemos assistir a queda de diversas profissões e a relativização de outras, a lógica do trabalho até então conhecida das profissões e carreiras adquiriu novo significado e grau de comprometimento.

A geração Y foi desta forma, superexposta a novo nível de informação, afastada dos trabalhos braçais e sobrecarregada de “prêmios” e facilidades materiais em troca de pouco ou nenhum esforço físico. Em parte este processo ocorreu devido a uma aparente compensação a partir dos pais, originários da geração X, possivelmente tentando compensar a lacuna material pelo qual podem ter passado, se comparadas as prosperidades econômicas da geração X com a da Y. Ao mesmo tempo, possivelmente tentando viver um nível de materialismo econômico através de seus filhos e netos

Geração Z.

Essa geração desenvolveu-se numa época de grandes avanços tecnológicos e prosperidade econômica, e facilidade material, e efetivamente, em ambiente altamente urbanizado, imediatamente após a instauração do domínio da virtualidade como sistema de interação social e midiática, e em parte, no nível das relações de trabalho. Se a geração X foi concebida na transição para o novo mundo tecnológico, a geração Y foi a primeira verdadeiramente nascida neste meio, mesmo que incipiente.

É importante notar que não existe geração Y no campo, se a natureza da renda da família e da cidade estão relacionadas a um histórico de trabalhos braçais e tradicionais, rurais, ou tradicionais manufatureiras.

Há uma diferença significativa entre as modalidades de prosperidade econômica e níveis de interação material mundiais, quando comparadas as duas gerações (X e Y). Na primeira, a quantidade de elementos lúdicos, de brinquedos, artefatos e eletrodomésticos ou qualquer nível de produto na cadeia social é muito menor que na segunda, e em contrapartida, mais duradouro e predisposto à manutenção ao invés do descarte e atualização (update).

A dinâmica da manutenção e reciclagem econômicas foram dramaticamente alteradas na virada do milênio, encabeçadas por potências como o Japão e Tigres Asiáticos e EUA, onde o ciclo econômico de reciclagem e descarte passaram a fazer parte do circuito econômico de produção local, por necessidade ambiental ou retorno financeiro. Simultaneamente, a natureza da efemeridade dos programas computacionais e a lógica da indústria de softwares induziram também fortemente, o conceito de descarte e atualização. De forma complementar, o desenvolvimento da indústria automobilística entrou no patamar de configuração dos veículos, também por questões de reciclagem e descarte que alimentariam a cadeia produtiva desde a fonte, em termos de reduzir a espessura das latarias e materiais em função da absorção de impactos em colisões. Este elemento, de origem investigativa com base em pesquisas de colisão com modelos e bonecos, por si só inseriu em parte a necessidade de redução da resistência mecânica e portanto, durabilidade material das latarias, fato perceptível no senso comum da população.

Estas diferenças econômicas produziram, com efeito, uma geração familiarizada com a baixa durabilidade e efemeridade dos produtos. Neste novo ambiente volátil, onde podemos assistir a queda de diversas profissões e a relativização de outras, a lógica do trabalho até então conhecida das profissões e carreiras adquiriu novo significado e grau de comprometimento.

A geração Y foi desta forma, superexposta a novo nível de informação, afastada dos trabalhos braçais e sobrecarregada de “prêmios” e facilidades materiais em troca de pouco ou nenhum esforço físico. Em parte este processo ocorreu devido a uma aparente compensação a partir dos pais, originários da geração X, possivelmente tentando compensar a lacuna material pelo qual podem ter passado, se comparadas as prosperidades econômicas da geração X com a da Y. Ao mesmo tempo, possivelmente tentando viver um nível de materialismo econômico através de seus filhos e netos

 

Guia Prático do Professor é um curso online de capacitação para Cabeleireiros e Barbeiros que deseja ser professor, e aprender a dá aula de sua profissão. Inscreva-se

Assista | Aula Gratuita | do Curso  | Guia Prático | Professor Tony Lima | Para Cabeleireiros e Barbeiros, e Profissionais Liberal.

 

Guia Prático do Professor é um curso online de capacitação para Cabeleireiros e Barbeiros que deseja ser professor, e aprender a dá aula de sua profissão. Inscreva-se e conheça o curso, que é ideal para quem deseja oficializar a profissão, aprender a fazer certificados, aprender como criar uma turma, e como captar novos alunos, e modelos para sua escola, imprima seu certificado em 5 minutos, saiba mais: https://profissaocabeleireiro.com/

Você pode ver vídeos do Professor Tony Lima Inscrevendo-se

https://www.youtube.com/c/TONYLIMA2020

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Geração_YGuia Pratico do Professor de Cabeleireiro e Barbeiros

Anúncios

Professor Tony Lima

Professor Tony Lima, é instrutor de cursos livres. Começou dando aulas para seus próprios colaboradores em 2004, em um salão de beleza na zona sul de São Paulo. Criador do curso para instrutor 2.0 Sucesso de vendas na Hotmart. Atualmente dedica-se em atualizar e inovar seu curso online na internet, grava vídeos para YouTube, com conteúdo voltados a empreendedores que deseja criar um curso livres online ou presencial, além de ajudar a criar você aprende como vender, como divulgar como precificar, como aparecer no google, você também recebe todo material de apoio, para distribuir para seus alunos, tais como apostilas e orientações de quantos alunos deve receber por turma e mais uma série de assuntos importantes na ministração de um curso, Tony Lima já trabalho com cursos livres desde 2004, se sente totalmente seguro para esclarecer todas as suas dúvidas no decorrer das aulas, seu público alvo é cabeleireiros e barbeiros e profissionais que desejam dar aulas de sua profissão, inscreva-se para receber os conteúdos semanalmente

Faça uma pergunta aqui, ou mande uma mensagem pelo whatsapp https://wa.me/558994349867

%d blogueiros gostam disto: